UBES

2º ENG MARCA COBRANÇA DOS ESTUDANTES PELA REFORMA ESTRUTURAL DO ENSINO MÉDIO

Painel "O Novo Ensino Médio" durante 2º ENG

O novo ensino médio foi uma das principais bandeiras debatidas pelos estudantes durante o 2º Encontro Nacional de Grêmios da UBES em um dos painéis da programação no último dia 19/01, em Recife (PE).  Segundo os estudantes, a etapa escolar é deixada de lado pelas políticas públicas e deixa a desejar na formação da juventude.

“Qual é o papel do ensino médio? Ele não te prepara para o mercado nem para a universidade, porque você sai do ensino médio e tem que fazer cursinho. Muito menos prepara para a vida. Muitos deixam a escola sem saber ler e escrever direito”, comenta Manuela Braga, presidenta da UBES. Ainda segundo a dirigente estudantil, o país avançou em políticas de inclusão para o ensino superior, deu ênfase aos primeiros anos da educação, “e esqueceu-se do ensino médio”.

PAINEL É DESTAQUE AO REUNIR REPRESENTANTES DA EDUCAÇÃO EM DEBATE COM ESTUDANTES DE TODO PAÍS

 Com a sala cheia, secundaristas de norte a sul do país construíram durante o 2º ENG da UBES o painel “O Novo Ensino Médio” com alto nível de debate e participação. A mesa foi composta por Aurélio Molina, da Secretaria de Educação de Pernambuco; Sandra Garcia, Coordenadora Geral do Ensino Médio da Secretaria de Educação Básica do MEC; Wilson Filho, Deputado Federal (PB) e Relator da Comissão Especial de Reformulação do Ensino Médio, e Márcia Lucena, Secretária Estadual de Educação da Paraíba.

“Pensar o novo ensino médio é tratar a evasão escolar e a formação dos professores. O problema é a sobreposição de conteúdo, e não das disciplinas; é preciso formar professores com novas perspectivas para formarmos jovens emancipados”, afirmou Sandra Garcia, ao defender que o “ensino médio precisa de atenção do MEC para que seja inovador e estratégico criando a unidade da educação no país”.

Márcia Lucena reafirmou a importância do grêmio estudantil no processo de construção da Nova Escola pautada pela UBES: “Quando pensamos em escola para juventude precisamos pensar em uma escola viva, com diferentes possibilidades para receber sua diversidade. A instância política que precisa haver para isso é a cidadania, e esse é o papel do grêmio ativando a consciência de lugar”, defendeu.

O mesmo disse Aurélio Molina ao defender os 4 pilares que perpassa essa transformação, tendo como base as ideias do programa Ganhe o Mundo, implantado pelo governo de Pernambuco, que ofertará aos estudantes do ensino médio da rede pública estadual cursos de idiomas em inglês e espanhol, além de intercâmbio internacional com países de língua inglesa e espanhola:

“Tudo se transforma, inclusive o Ensino Médio; tudo muda; para transformar é preciso a polaridade, o contraditório; o acumulo de ação resulta soluções qualitativas” atestou dizendo aos secundaristas que “a mesma pressão que fizemos pelos 10% do PIB para educação deve aumentar e tomar as ruas” rumo aos questionamentos feitos ao ensino das salas de aula de todo Brasil que pedem por mudanças.

Veja abaixo, algumas intervenções de secundaristas durante painel.

Standard

Dê a sua opinião e ajude a construir uma UBES cada vez mais forte!!!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s