UBES

ABES E UEB DEFENDEM DIÁLOGO PARA O FIM DA GREVE DA PM

Greve da PM gera crise na Bahia e deixa saldo de 145 homicídios

Os estudantes também foram duramente prejudicados pelo clima de insegurança gerado na Bahia pela greve de parte da Polícia Militar. Diante disso, a União dos Estudantes da Bahia (UEB) e a Associação Baiana de Estudantes Secundaristas (ABES) divulgaram uma nota nesta quarta-feira (8/2), em que defendem o diálogo como melhor forma para a retomada da ordem e da segurança no estado. Veja o texto:

“Em Defesa do Diálogo!

Na iminência do início do ano letivo, diante da greve da Polícia Militar baiana, que hoje completa uma semana, a União dos Estudantes da Bahia (UEB) e a Associação Baiana de Estudantes Secundaristas (ABES) vem, por meio desta nota, defender a negociação como a melhor maneira de superar a grave situação em que se encontra a segurança pública na Bahia.

Os trabalhadores e trabalhadoras da Polícia Militar da Bahia lutam por melhores condições de vida e de trabalho, portanto, trata-se de uma pauta justa. No entanto, ainda que a pauta seja justa, não concordamos que o encaminhamento das reivindicações seja feito de forma violenta e irresponsável. Infelizmente, uma minoria composta por homens encapuzados, orienta atos violentos em diversas cidades baianas, disparando tiros e atravessando ônibus em via pública. Repudiamos tais atos, que, embora praticados por uns poucos, disseminam o terror e prejudicam a população.

As entidades estudantis sempre lutaram pela liberdade de manifestação e estão lado a lado com a classe trabalhadora em nossas pautas cotidianas. A tradição de reivindicações corre em nossa história e a defesa de uma sociedade igualitária é o nosso horizonte.

Esperamos ações efetivas e protagonismo por parte do governo do estado para a dissolução destes impasses, além de compromissos nítidos para que tenhamos avanços no que tange ao modelo de segurança pública que a Bahia precisa. A população baiana não pode ser refém de policiais grevistas com armas em punho nem das forças armadas e seus fuzis.

Nós temos um modelo de segurança pública equivocado e contraditório com a construção de uma sociedade justa e igualitária, tal como defendemos. O genocídio da juventude negra e a letalidade da polícia são questões centrais para o debate da segurança pública que necessitamos. Este momento de crise talvez seja uma boa oportunidade de discutirmos possíveis mecanismos para termos uma polícia mais eficiente e compatível com o Estado Democrático de Direito.

Por fim, a UEB e a ABES esperam que o bom senso prevaleça e que as negociações ajudem a dar fim à greve, para que o calendário letivo seja preservado e que possamos avançar na construção de uma sociedade realmente justa e segura.

Bahia, 8 de fevereiro de 2012

UNIÃO DOS ESTUDANTES DA BAHIA (UEB)
ASSOCIAÇÃO BAIANA DE ESTUDANTES SECUNDARISTAS (ABES)

Anúncios
Standard

Dê a sua opinião e ajude a construir uma UBES cada vez mais forte!!!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s